segunda-feira, 15 de março de 2010

Sou Amiga de Uma Bandeira



Como pode uma pessoa ser amiga de uma bandeira?! No caso, vou falar por mim. Sim, sou amiga de uma bandeira. Sou amiga do Fake @uberlandia do Twitter.
Será que surtei?! Será que existem falhas em minhas glândulas adrenais conduzindo meu "Eu Interior" pelas vias do estresse? Será que o mundo rebarbativo e caótico que vivemos atuou de forma tão vigorosa em meu ser que agora me rendo a coisas sem pé nem cabeça?! Literalmente sem pé nem cabeça, aliás. Simplesmente uma bandeira!
Ah, normal! Eu já fui cúmplice em atropelamento de coelho gigante, dando volta no quarteirão para localizar o animal ferido e ainda me culpar por uma eventual alteração da páscoa... Plim! Eu conversava com meu ursinho e criava várias histórias fantásticas sobre uma rede de TV e resgates incríveis usando uma estante de livros e meus amados Playmobils... Talvez eu nunca tenha crescido e muito menos fechado o portal mágico de alguma área cerebral.
Já imagino até o que ela usa no seu dia a dia e como é na figura humana. Creio piamente que ela é um ser que usa uma burca colada no corpo, embalada à vácuo. Usa um casaco bordado em noites de frio e uma galocha para enfrentar dias chuvosos.

Será que pertenço ao exército americano e por isso considero tanto assim essa personagem com mil fios?! É por isso que sou tão fiel e amistosa com essa bandeira?! Patriotismo?!

Exército americano... Agora pensando nesta possibilidade me lembrei que tenho hábitos de ler a patente e nome de guardas que me param em blitz de trânsito ou que utilizo como agentes de informações sem compromisso. Será que essa mania é para ficar atenta a algum provável superior?!

Será que eu gosto tanto de Lost e Fringe por me identificar com os mistérios da cidade virtual e suas probabilidades não descartadas?!

Eu sou amiga de uma bandeira e não tenho a menor vergonha de afirmar isso. Zero de vergonha!
Não sei quem está por trás. Confesso que já questionei amigos e colegas para tentar saber quem está por trás daquela burca imaginária, mas que atualmente não o faço mais. Gostaria de descobrir quem é para dar um abraço atoa e tomar um caminhante ou cervejinha sem compromisso... E seria feliz se por sua própria vontade e não por nada forçado da minha parte.

Em alguns momentos eu reluto contra este fato... Dessa afeição toda. Acho um absurdo eu conversar e até confiar em um pedaço de pano virtual. E se for algum pulha que roubará minha senha do banco ou me sugar a mente até conseguir que eu crie uma religião para que ela seja minha redentora?!
Plim!

A questão é que aceito a amizade. Tendo caráter, humor e ajudando tantas pessoas com informações e auxílio na resoluções de problemas como ela faz aliada a probabilidade de nos conhecermos em breve, tá valendo. Acredito na amizade e espero não estar errada ou louca, porque é o mais importante, seja de onde vier.

9 comentários:

  1. Minhas amigas me acham ridícula quando digo que virei fada depois que entrei no Twitter. Mas bem gostaria de conhecê-la pessoalmente. #acreditonopoderdasfadas

    ResponderExcluir
  2. Gosto do Twitter @Uberlandia, mas lamento que, hoje em dia, aquela página seja muito mais sobre a pessoa que escreve do que sobre a cidade em si. O que antes servia como informação e diversão, hoje se transformou numa egotrip meio sem fundamento.

    De qualquer forma, interessante o seu texto.

    ResponderExcluir
  3. Confesso que sigo também a @Uberlandia, mas deixou há muito tempo de ser interessante...
    Ela podia usar a ferramenta, a exposição, carisma e a credibilidade que tem, para algo mais útil...
    Um exemplo? O pisca day... por favor né... o que isto acrescenta na vida das pessoas??
    Ela está com o queijo e faca na mão... acho que está faltando então a fome de fazer coisas que realmente acrescente, é uma pena que esteja apenas se promovendo ultimamente...

    ResponderExcluir
  4. Confesso que sigo também a @Uberlandia, mas deixou há muito tempo de ser interessante...
    Ela podia usar a ferramenta, a exposição, carisma e a credibilidade que tem, para algo mais útil...
    Um exemplo? O pisca day... por favor né... o que isto acrescenta na vida das pessoas??
    Ela está com o queijo e faca na mão... acho que está faltando então a fome de fazer coisas que realmente acrescente, é uma pena que esteja apenas se promovendo ultimamente...

    ResponderExcluir
  5. Nossa, gente, quanta exigência pra cima da @uberlandia! Como que uma pessoa que se mantém no anonimato deseja se promover?

    Acho que as coisas têm que acontecer devagar, uma de cada vez. Ela já fez uma campanha bacana de arrecadação de leite integral pro Hospital do Câncer, já pautou muito veículo de comunicação local, denuncia as irregularidade, entre outras tantas coisas. E pode continuar a fazer mais.

    Aliás, sendo um pouco menos diplomática, pra ficar mais claro: em vez de criticar e queimar o filme, por que não somar????

    Nunca vi a @uberlandia rejeitar uma sugestão/dica/toque. Pelo menos não de minha parte. Ou então, criatura, faça melhor!

    Mais uma coisinha: não gostou, dá Unfollow, uai! Twitter é uma rede democrática.

    ResponderExcluir
  6. Já ia me esquecendo!!

    Quiriiiida amiga virtual, vc arrasou, como sempre! Amo-te!

    Bjos

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Também gostava beeeeeeem mais quando a @Uberlandia não era tão centrada em si mesmo e fazia comentários sobre outras coisas que não ela...

    ResponderExcluir
  9. A fada amada @uberlandia é um marco na história digital da nossa cidade e entendo que ela é uma personagem e não uma representante da prefeitura ou de alguma entidade municipal. Pensando assim, acho que ela só tem contribuído, especialmente com o bom humor!

    ResponderExcluir